Buscar
  • Grupo Perfect

O que é Environmental, Social, Governance (ESG)?


A Governança Ambiental, Social (ESG) visa impulsionar o crescimento dos negócios enquanto constrói um futuro mais sustentável, equitativo e ético para o mundo.


Fatores ESG

Ambiental, social e de governança são três dos fatores centrais na medição da sustentabilidade, ética e impacto social de uma empresa. Os fatores ESG não são necessariamente financeiros, mas ainda desempenham um papel significativo no risco de longo prazo de uma empresa e seu ROI. Simplificando, as empresas que incorporam fatores ESG são mais seguras e mais propensas ao sucesso.


Ambiental

À medida que as realidades das mudanças climáticas e outras questões ecológicas que potencialmente alteram o mundo se tornam cada vez mais documentadas, o compromisso de uma empresa com a sustentabilidade se torna mais importante. Os fatores ambientais em ESG referem-se ao impacto que uma organização pode ter sobre resíduos, poluição, esgotamento de recursos, emissão de gases de efeito estufa, mudanças climáticas e desmatamento.


Social

Uma empresa é mais do que seus produtos, serviços ou logotipo; é uma coleção de pessoas trabalhando para objetivos comuns. Como tal, a forma como uma empresa trata seus funcionários e se está em conformidade com os padrões estabelecidos de saúde, segurança e contratação podem ajudar os investidores a avaliar sua qualidade e risco gerais. O fator social de ESG incorpora relações com funcionários, comunidades locais, saúde, segurança, conflito e diversidade.


Governança

No coração do ESG está a ideia de que as empresas precisam assumir a responsabilidade pelo tipo de impacto que criam. A governança é um fator essencial nisso, examinando quão bem uma organização se governa. A governança concentra-se em questões como remuneração de executivos, doações, lobby político, estratégia tributária, diversidade do conselho, estrutura, corrupção e suborno. A governança adequada ajuda a alinhar as questões entre as partes interessadas em diferentes níveis, apoiar o crescimento contínuo e a estratégia de longo prazo.


Por que o ESG é bom para os consumidores e para o planeta?

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas são 15 metas delineadas pelos Estados Membros das Nações Unidas, que fornecem uma série de objetivos projetados para ajudar a criar paz e prosperidade para as pessoas do planeta. Não importa o tamanho do negócio e independentemente do setor, todas as empresas podem contribuir para os ODS.

Quando as empresas fazem negócios com responsabilidade e buscam oportunidades para resolver desafios sociais, elas podem oferecer soluções para problemas que vão desde a crise climática à pobreza, desigualdade e fome. Essa inovação do setor privado é um mercado em crescimento, e os benefícios para os consumidores e para o planeta são imensuráveis ​​quando uma empresa opta por se comportar de forma responsável e promover práticas ambientais e sociais positivas.


Por que o ESG é bom para os negócios?

Uma pesquisa de 2019 com mais de 1.000 CEOs de todo o mundo pelo Pacto Global da ONU descobriu que 87% “acreditam que os ODS oferecem uma oportunidade para repensar as abordagens para a criação de valor sustentável”. 70% desses CEOs “veem os ODS fornecendo uma estrutura clara para estruturar os esforços de sustentabilidade”.

O ESG pode ser tanto uma filosofia de investimento quanto uma série de valores fundamentais. Empresas sustentáveis ​​tendem a ser construtoras de lucro e sociedade, pois ESG é um investimento em crescimento responsável.


Uma nova visão dos critérios ESG

Do ponto de vista de um investidor, a desvantagem mais óbvia do ESG seria que ele parece impor limitações em quais empresas podem ser investidas, limitando também o lucro potencial de um investidor. Não muito tempo atrás, os investidores não ESG tinham uma seleção mais ampla de oportunidades de investimento e, muitas vezes, viam retornos muito maiores investindo em negócios que podiam operar sem serem prejudicados pelo auto escrutínio ambiental, social ou de governança.


Mas a maré está começando a mudar e os prós da adesão aos critérios ESG estão se tornando mais aparentes. Fora das preocupações práticas e éticas, os critérios ESG podem ajudar as empresas a evitar fatores de risco ou danos à reputação que surgem devido a práticas que estão fora dos critérios ESG práticos. Por exemplo, as organizações que aderem aos padrões sociais ESG são menos propensas a se envolverem em escândalos associados a processos antiéticos de contratação ou gestão. As empresas que mudam seu foco para práticas voltadas para o ESG podem ganhar mais força, pois as empresas de investimento estão começando a ver o ESG como uma indicação de baixo risco.


O investimento em ESG está em alta

Nos próximos anos, há indicações claras de que as empresas começarão a enfrentar um maior escrutínio de governos, clientes e investidores; aqueles que não promovem os padrões ESG provavelmente enfrentarão penalidades – não apenas em termos de regulamentação governamental, mas também em relação à rejeição de consumidores e investidores. Em outras palavras, à medida que os valores públicos e governamentais mudam para dar maior ênfase à sustentabilidade e à responsabilidade social nos negócios, o ESG está se tornando cada vez mais relevante em todos os setores.


Investir em ESG reduz riscos

Vale a pena notar que existem duas categorias diferentes de risco a serem consideradas ao discutir ESG: o risco direto (mudanças climáticas e outras considerações ambientais) e o risco indireto (reputação da marca, lealdade do investidor etc.). Pensando nisso quais são os principais fatores de risco ESG?



Ambiental

As mudanças climáticas e outras questões ambientais estão crescendo. E se essas questões não forem abordadas em escala global em breve, poderemos testemunhar sérias ramificações para governos, economias e até negócios operados individualmente. As organizações que se esforçam para serem ambientalmente responsáveis ​​podem estar mais aptas a enfrentar esses desafios, oferecendo aos investidores maior estabilidade.


Social

Não é segredo que funcionários felizes, satisfeitos e engajados contribuem para aumentar o sucesso dos negócios. O inverso também é verdadeiro: funcionários insatisfeitos são muito mais propensos a ter um desempenho inferior, prejudicando os resultados da empresa. Mas a satisfação dos funcionários vai além do cubículo. As empresas que seguem altos padrões na forma como tratam e apoiam seus funcionários terão mais facilidade em manter os melhores talentos, e esses funcionários terão maior probabilidade de se tornarem embaixadores da marca, mesmo quando não estiverem no relógio. Em conjunto, isso torna essas empresas um investimento de menor risco.


Governança

A governança detalha o funcionamento interno do próprio negócio. Altos padrões de governança ajudam a garantir que o negócio em questão não esteja envolvido em nenhuma prática ilegal – uma óbvia bandeira vermelha para os investidores. Mas, mais do que isso, a governança promove processos financeiros precisos e transparentes. Atribuiu direitos aos acionistas. Ajuda a eliminar os riscos associados a conflitos de interesse. Essencialmente, existe para garantir práticas éticas em todos os níveis, protegendo o negócio e quem nele investe de penalidades e riscos associados à má gestão.

Uma coisa importante a ser lembrada é que o ESG não é um problema de nicho separado e independente; ele tem efeitos fundamentais em sua abordagem para fazer negócios (ou seja, construir produtos a serem reciclados, projetar processos para que possam ser monitorados quanto à conformidade com metas internas e externas etc.). Juntos, eles estão ajudando a criar estruturas para abordar efetivamente esses problemas usando um sistema composto por pessoas, processos e tecnologia trabalhando juntos para ajudar as empresas a incorporar efetivamente o ESG como um componente essencial de seus programas gerais de estratégia, risco e governança. E isso significa risco reduzido para os investidores.

0 visualização0 comentário